DEPOIMENTOS

É bom demais poder contar com os depoimentos de nossas clientes, felizes e satisfeitas, prontas para viverem a maternidade com toda plenitude! Confira abaixo alguns relatos dessas mães, que se tornaram amigas queridas:

“Foi depois de uma sessão de massagem em mim que eu resolvi aprender Shantala e aplicar na Alice (minha bebê de 2 meses e meio). Quando terminou a sessão, eu estava tão leve, bem-disposta e relaxada que quis que a Alice também recebesse essa dosezinha diária de carinho. Fiquei impressionada com os efeitos. Com uma semana de Shantala diariamente, a Alice já não ficava tão nervosa para fazer cocô, dormiu mais tranquila e começou até a tirar umas sonequinhas no meio da tarde.”

Alaiz é uma querida mãe que tive o prazer de massagear durante a gestação da Alice e também no puerpério. Ela me enviou este depoimento após ter feito o Curso de Shantala – Massagear e Amar, em 15/03/13.

“Desde que eu estava grávida, aliás, desde que eu apenas sonhava em ser mãe, eu me imaginava fazendo massagem no meu bebê com muito carinho. Sempre que via as reportagens sobre a Shantala, ficava babando, imaginando como seria quando chegasse a minha vez.
Quando engravidei, olhava vários vídeos de como aplicar a Shantala e ficava cada vez com mais vontade. Lembro que quando tinha 7 meses de gravidez, no chá de bebê, ganhamos uma boneca e… Adivinha o que eu fiz nela? Shantala! rsrs
Então, quando Elis tinha 3 meses, fomos fazer o curso com a Pri. Eu já conhecia a Pri dos encontros do Gama na gravidez. Aliás, desde o primeiro dia, a empatia foi de primeira. Dona de um sorriso lindo, muito amorosa e atenciosa, não tem como não gostar dela no primeiro instante!
E, assim, foi também no curso. O legal do curso é também a interação com outros pais, perceber o jeito de cada bebê, como eles reagem ao toque. Essa troca é sempre muito boa e inspiradora, principalmente para nós, pais de primeira viagem.
O que aprendi no curso da Pri, principalmente, é que a Shantala vem como um momento de união entre os pais e o bebê. Em que o bebê se sente acolhido, e os pais, felizes por tocar cada parte do seu corpo, passar as mãos na pele macia, que emana tanta energia boa para nós. É uma troca, muito justa. Pois eles recebem nosso carinho, e nós, ficamos ainda mais próximos de nossos filhos, sentindo sua energia, seu jeito de ser.
Em casa, aplicamos a Shantala até hoje, mas confesso que queria fazer com mais frequência. O dia a dia, a correria, nem sempre deixa espaço, mas quem sabe agora não volto a fazer mais vezes?
Recomendo muito, pois acalma muito os pequenos, e mais legal ainda, é fazer um banho de balde bem quentinho, depois da massagem. Ninguém resiste a um soninho depois disso! :)”

Carol Valente, mãe da Elis
www.mepari.blogspot.com

“As massagens da Priscila contribuíram demais pra que eu curtisse muito meu pós parto, com mais energia e disposição e, também, por sentir o apoio de mãe e profissional que ela dá, em uma fase em que precisamos nos lembrar a todo momento que não estamos sozinhas, que devemos pedir toda a ajuda que julgamos necessária, que o caminhar com um recém-nascido fica muito mais leve e gostoso estando com outras mães/maternas acolhedoras e que podemos ter momentos muito prazerosos, como as massagens relaxantes. O curso de Shantala me deu uma ferramenta pra eu curtir de um jeito delicioso meu bebê, com intimidade, carinho, contato de qualidade, tranquilidade, além dos benefícios para ele, que sabemos serem muitos, como ganhar consciência de si e do seu corpo, sentir a presença da mãe, relaxar tensões e eventuais dores, tranquilizar. Adorei ter feito!”

Marina, mãe da Sofia e do Daniel
www.alegriasdequintal.com.br

“Priscila escolheu o nome mais fiel ao que ela pratica: abraço materno.
Foi abraçada que me senti enquanto ela me ajudava, com seu toque, a me reconectar comigo mesma, depois do nascimento da minha filha. A gente é só cuidado quando tem nos braços um recém-nascido. É tanta atenção voltada para aquele ser dependente, que é fácil se esquecer do próprio corpo.
Os ombros se curvam para aninhar nos braços a cria, os olhos se abaixam voltados para o bebê, o corpo cansado das noites em vigília parece movimentar-se sozinho para atender qualquer suspiro da cria. E a gente sente, sente intensamente, em cada órgão, a responsabilidade de tornar-se mãe.
Pois, Priscila me ajudou a dar nome a dores e sentimentos que eu não conhecia, a verbalizar pensamentos que talvez eu não tivesse oportunidade ou vontade de externar. Generosamente, dividiu comigo sua experiência de maternidade e, ao fazer isso, me ajudou a fortalecer escolhas tão importantes para a saúde e vínculo com minha filha.
Era inverno quando Alice nasceu, fazia bastante frio e, quando Priscila chegava com aquele cobertor quentinho, com óleo perfumando de lavanda no meu quarto, eu me entregava aos seus cuidados, enquanto minha bebê dormia ao meu lado ou mamava. Para muito além da massagem deliciosa, relaxante e fundamental, encontrei conforto, carinho e apoio em seu abraço maternal.
Obrigada, Pri, pela coragem de ir em busca de seu sonho e por espalhar amor.”

Gleice, mãe da Alice
www.aflorista.com.br

“Tranquilidade, carinho, massagem, relaxamento, troca, atenção. Qual a melhor palavra para descrever os encontros com a Pri no pós-parto? Difícil dizer, tantas as sensações e sentimentos que marcam esses momentos.
Que surpresa deliciosa receber sua ligação oferecendo-se para uma visita + massagem, como parte do atendimento proporcionado pela minha obstetra às suas parturientes. Nem imaginava que isso era possível. Tampouco, podia dimensionar os efeitos positivos desse encontro, que gerou outros.
O cuidado com as mães recém paridas é fundamental, já que seu corpo, mente, alma e tempo estão integralmente voltados para um novo ser, uma nova relação. Nesse contato, percebemos o quanto também precisamos de cuidado, atenção e carinho: de acolhimento, eis a palavra.
Além de alento físico, a experiência e atenção alimentam o espírito.
Obrigada Pri, pela dedicação às mulheres nesse momento tão especial.”

Clarissa, mãe do Miguel

“Cuidar do bebê e cuidar-se no pós-parto.
Comecei a receber massagens da Priscila antes mesmo de o Miguel chegar. As últimas semanas da gestação foram marcadas por uma intensa dor na região da bacia e na lombar. Antes de o Miguel completar um mês, a Pri já estava lá em casa: colchões, lençóis, música e aromas deliciosos em punho, cenário montado e ela pronta para fazer da terça-feira o melhor dia da semana. Era dia de cuidar de mim.
Sim, no pós-parto, precisamos nos doar integralmente – corpo, alma, pensamento e emoção – aos nossos bebês. Mas, foi muito bom poder ser cuidada em um momento tão especial. E, melhor ainda, ser cuidada sem parar de cuidar do pequeno. Priscila domina técnicas de massagem, permitindo total conexão mãe-bebê durante a sessão.
A primeira foi difícil. Confesso que não consegui relaxar tudo que podia, porque não tirava os olhos do baixinho. Talvez, porque ainda pensasse que não era hora de cuidar de mim. Mas, respeitei estes tempos e a Pri voltava a cada 15 dias. E era sempre bom, cada vez melhor.
Teve sessão em que dormimos juntos, relaxados ambos. E percebemos, com o passar do tempo, que quanto mais relaxada eu estava, mais ele também ficava. Amamentava durante o atendimento e a Pri sempre respeitou nosso tempo. Mais do que isso, ela nos incentivava a viver aquele momento juntos, interrompendo quantas vezes fossem necessárias e encontrando as melhores posições para acomodar o bebê, sem comprometer seu trabalho e meu relaxamento.
Com o tempo, conseguimos variar posições, trabalhar locais mais complicados do corpo – pescoço, pés e punhos nunca estavam no lugar. E estamos recebendo ela em nossa casa até hoje, Miguel com quase cinco meses.
Nas visitas, ela presenciou algumas “primeiras vezes”. Uma vez, deixamos o pequeno num tapetinho de atividades ao meu lado, para ela conseguir massagear as minhas costas. Eis que ouvimos uma musiquinha. “Pri, você ligou a música?”, perguntei. “Não”, disse ela. Mig tinha alcançado a bolinha que, quando girada, aciona a música. Ficamos emocionadas. Ele tinha ligado o brinquedo sozinho. E tinha apenas três meses!
Lembro de, no começo dos atendimentos, conseguir tirar belos cochilos com o Mig, depois de a Pri ir embora. Ficávamos muito relaxados juntos. E, depois que acordávamos, era a vez dele de ser massageado. Eu aplicava as técnicas de Shantala, que aprendi com a Pri no curso Massagear e Amar, da Abraço Materno.
A Abraço Materno é a felicidade pra toda família: eu me cuidando e cuidando do nosso vínculo, do nosso amor, do nosso bebê.”

Michelle, mãe do Miguel
empreendedorismomaterno.blogspot.com

“Quando abri a porta pela primeira vez para receber a Priscila Castanho, eu estava chorando. Meu peito tinha empedrado. De novo!…
“Ela, com toda sua presença de espírito e prática no cuidado com as novas mamães, me deu um abraço e falou: “Calma! Vai ficar tudo bem!”
E ficou… Ficou tudo ótimo, na verdade! O Theo, que na época estava com 1,5 mês, mamou durante todo tempo em que a Priscila fazia massagem em mim… Tudo que ele não tinha mamado naquela noite e não só desempedrou, mas esvaziou meu peito! E, depois, dormiu um monte.
A partir desse dia, a Pri passou a cuidar de mim semanalmente! Ela me ajudou no físico, com sua massagem maravilhosa, e também cuidou do meu lado espiritual, me ajudando a ver a maternidade com muita naturalidade. Conversando com ela, todos as preocupações, tristezas, medos, culpas sumiam e a mãe dentro de mim se fortalecia a cada encontro.
Além disso, sempre me dava dicas práticas: como ordenhar, onde doar leite, como usar o sling ou como dar banho de balde.
Com o passar do tempo e o crescimento do meu pitoco, fizemos o curso de Shantala. No dia, um sábado friozinho de maio, o Theo ainda estava se recuperando de uma febre por causa de vacina e no fim da massagem reclamou um pouquinho. Eu parei e fiquei com ele no colo enquanto as outras mamães terminavam. Depois, o colocamos no balde, ele relaxou e dormiu gostoso.
Aquela noite, depois do curso de Shantala com a Pri, foi a primeira noite que o Theo dormiu várias horas seguidas! 7 horas direto! Acordei passadas 6 horas toda zonza, sem saber o que tinha acontecido: “O quê? O mundo parou e eu não percebi?” E o Theo lá… dormindo… Claro que, com toda minha produção de leite, antes dele acordar tive que ordenhar.
Eu passei a fazer a massagem diariamente e fiquei maravilhada com a experiência! Desde o primeiro dia fazendo a Shantala no Theo, em casa, nos conectamos de uma forma muito gostosa. Ele sempre sorrindo, me olhando com seu jeitinho alegre, esperando os próximos movimentos… Uma delícia e muito especial!
Pripri, obrigada por me ajudar a ver a maternidade da forma mais bonita que eu poderia ver! Obrigada e parabéns por esse trabalho tão lindo e generoso que você faz!”

Pri, Fer e Theo